TDMG ENTREVISTA: Parris Lee, Running Back do Galo F.A.

Continuando com a nossa série, o entrevistado de hoje é o Running Back do Galo Futebol Americano, Parris Lee. Recordista de Touchdowns na BFA 2018, com 25 TD’s anotados, o corredor americano está com seu contrato renovado com a equipe do Galo, para a temporada 2019.

Yago Glatz (TD Mineiro): Parris, muito obrigado por nos dar esta entrevista. Em nome da equipe do Touchdown Mineiro, agradecemos sua participação. Vamos começar falando um pouco sobre você. Conte-nos sobre sua carreira, como você começou a jogar futebol e quais times você jogou.

Parris Lee: Comecei a jogar futebol aos 5 anos de idade. Desde então, eu joguei o High School e depois o futebol College. Fui abençoado por receber uma bolsa integral de estudo para a Georgia State University (divisão 1 Conferência Sunbelt) que joguei lá por 4 anos. No estado da Geórgia, fiz parte do primeiro time de futebol e também marquei o primeiro Touchdown na história da escola.

YG: Você teve uma passagem pelo American Football College. Como foi a experiência e por que você não seguiu com a carreira nos Estados Unidos?

PL: Estar longe do primeiro time no estado da Geórgia foi incrível, eu era uma estrela assim que eu pisei no campus e nós tivemos um time muito jovem e nos divertimos muito jogando bola juntos. Eu aprendi muito sobre o jogo e tive alguns ótimos treinadores para me ajudar a moldar meu jogo para o que é agora. Infelizmente, minha equipe universitária teve jogadores muito jovens e nós tivemos muitas perdas no processo de crescimento do nosso programa. Minha escola era muito pequena, comparada a times como o Alabama, que tem anos de história e ótimos jogadores, então depois da faculdade era difícil encontrar um time para me pegar. Eu sou americano e ficou muito difícil para mim encontrar trabalho nos EUA, mas eu tinha colegas de time e treinadores que me incentivaram a jogar futebol no exterior, para manter meus sonhos vivos e essa foi a melhor decisão que tomei, foi seguir meus sonhos e continuar jogando o jogo que eu amo e também me deu a oportunidade de viajar mundo e ver lugares que eu nunca na minha vida poderia imaginar que eu veria.

YG: Como você vê o nível técnico do futebol americano na Europa? Eles são mais avançados que o futebol americano aqui no Brasil?

PL: Eu acredito que o nível do futebol e da Europa são um no mesmo. Você tem algumas equipes que são desenvolvidas e têm ótimos treinadores que ensinam técnica e você tem equipes que não têm muito conhecimento do jogo e elas tendem a lutar. Tudo depende do coaching e da ética de trabalho dos caras que você tem em seu time para melhorar!

YG: Em sua última equipe na Europa, você jogou com outros atletas do Brasil. Como foi essa experiência?

PL: A primeira coisa que notei sobre os jogadores do Brasil, quando eu estava na Europa, foi o fato de que eles trabalharam muito e mostraram uma ótima ética de trabalho. Eles me lembraram de caras nos EUA, porque eles são estudantes do jogo e jogam futebol, você tem que ser sempre um estudante do jogo e procurar maneiras de melhorar. Fiquei muito impressionado com a maneira como eles trabalharam duro e adoraram o jogo como eu.

YG: Ainda sobre a Turquia, como foi o convite para jogar no FA Galo e, claro, no futebol brasileiro?

PS: O Mega e o Rafael (Fadini) me chamaram para jogar no Galo FA, na temporada (2018) e eu estava tão empolgado, porque eu nunca tinha ido ao Brasil, mas eu ouvi muitas coisas boas sobre o time e o futebol no Brasil dos caras. Eu sempre quis vir para o Brasil desde criança e essa era a minha chance de ter uma vida melhor!

YG: Como você avalia o futebol americano no Brasil? Ou seja, em termos de estrutura física e técnica, podemos almejar o crescimento para o esporte?

PL: Eu sinto que, com mais treinadores americanos, mais camps de futebol, que ensinam técnica de futebol americano no Brasil, podem ser um ótimo lugar para crescer o jogo e ter um grande futebol para os fãs assistirem. Os jogadores brasileiros têm grande físico e a maioria dos caras é muito apaixonada por aprender o jogo e se tornar grandes jogadores. Eu amo como a liga é disputada e como a paixão pelo jogo fora dos EUA. Parece que estou de volta aos EUA !!

YG: No ano passado, você foi o MVP do Brazil Bowl, além de ser o recordista de Touchdowns de scrimmage na temporada regular. Como você avalia sua temporada?

PL: Eu avalio minha temporada como sucesso, mas não sou complacente, sempre me esforço para ser um jogador melhor a cada ano e não quero nada a não ser o melhor para mim e meus colegas de equipe, a cada ano, para tornar melhores jogadores. Você não viu o meu melhor, porque ainda estou me tornando um jogador melhor. Eu estabeleci grandes expectativas para mim e o céu nunca é o limite para mim! Eu quero ser o melhor jogador a jogar futebol no Brasil e no GALO FA.

Parris Lee, anotando um Touchdown contra o Tritões FA. Foto: João Guilherme

YG: O que você pode dizer para quem quer se tornar um atleta de ponta, como você?

PL: Eu diria que, para se tornar um jogador melhor, você tem sempre estudar o jogo, assistir filme próprio ou outro time e trabalhar em suas habilidades, não apenas na prática, mas fora da prática! Você tem que amar este jogo para se tornar um grande jogador, porque a paixão é o que o leva a ser o melhor que você pode ser com qualquer coisa que você escolha fazer!

One thought on “TDMG ENTREVISTA: Parris Lee, Running Back do Galo F.A.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *